Na íntegra: ‘Ultra Violet’, de Paul Hayworth

Gravado há mais de 20 anos em formato caseiro, projeto experimental de space-rock e sci-fi é denso mas, ainda assim, otimista

Paul Hayworth é um músico australiano que participa da cena indie como guitarrista da banda Freud, mas tem como maior dote ser um especialista em multimídia, trabalhando com trilhas de filmes e projetos teatrais para a Sony e a The Legendary Bitmap Brothers.

Alguns de seus achados musicais formam parte do catálogo de seu selo, a Electrocuted Wilma Tunes. Com uma dúzia de trabalhos já lançados sob diferentes projetos, Hayworth também contribui bastante para a música experimental.

O lançamento mais recente do selo é o álbum Ultra Violet que, segundo o engenheiro sonoro, foi gravado há cerca de 20 anos ‘marcando um ponto decisivo de imaginação’.

Gravado em uma fita de quatro-faixas de baixo custo, canções como “Radiation”, “White Sun” e “Black Hole” habitam uma esfera distinta: é psicodelia e space-rock em levadas progressivas.

Para que o trabalho ficasse pronto, Hayworth remasterizou tudo num equipamento de 16 canais, provavelmente inserindo mais guitarras e drones para intensificar o conceito do disco.

As camadas são substanciais – mal se ouve as vozes. A grande ênfase reside em dar liberdade às melodias, de modo que elas possam “continuar relevantes na ciência de hoje, aprofundando-se nos maiores problemas de sobrevivência da humanidade”.

Parece bem complexo, mas a bela capa colorida (arte de Nicole Boitos) e os desdobramentos das faixas entregam um trabalho que me soa otimista – apesar de isso não ser tão usual quando se fala de sci-fi.

(E, por favor, não confundam otimismo com uma espécie de rock ensolarado ou algo do tipo. Há densidade e os desfechos não são óbvios. Talvez, nem mesmo esteja certo em afirmar que é otimista.)

Ouça a seguir Ultra Violet, de Paul Hayworth, na íntegra:

Artistas Paul Hayworth

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010 - que, além de site, também é canal do YouTube e Embaixador Spotify. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e repórter de entretenimento, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Sem Comentário

Adicione um comentário