Na Mira: Catexia

Amenidades e climatizações em longas faixas instrumentais. Mas, acontece que tudo explode

Cidade natal: Franca (SP)

Gênero: Rock instrumental

Membros: Alexandre Luis (baixo), Carlos Gomes (guitarra), Lucas Misu (guitarra) e Renan Ruiz (bateria)

Agrada quem gosta de: Labirinto, Explosions in the Sky, Pata de Elefante

Links: www.catexia.com.br, www.facebook.com/catexia.instrumental

Acontece que tudo uma hora explode. Essa frase poderia muito bem ser dita por um TNT falante com a mais estranha naturalidade. Mas serve para entender um pouco o que a banda Catexia interpreta por música instrumental.

Não foi à toa que falei de explosão no parágrafo acima. Isso porque bandas como Explosions in the Sky e Tortoise são referências que saltam de primeira ao ouvir o primeiro e único EP da banda formada na cidade de Franca, no interior de São Paulo.

Apesar de A Voz do Brucutu ter apenas três faixas, cada uma delas tem mais de seis minutos de duração, apresentando uma dinâmica que remonta a bandas mais experientes do que a Catexia realmente é.

A sincronia que impressiona em “Inferno”, “A Ressurreição” e “Marta” nem parece vir de um grupo formado no início do ano passado no Teatro Municipal da cidade.

Com produção de Peu Ribeiro, A Voz do Brucutu foi gravado na cidade de Sorocaba (SP) no começo de 2013 durante uma semana no estúdio Mústachi.

De uma banda com duas guitarras, baixo e bateria não daria para associar outro gênero que não o rock. No entanto, a Catexia se singulariza em relação às demais bandas da cena instrumental por optar em condensar explosões e amenidades.

Há belas melodias que se entrelaçam a riffs poderosos, fazendo com que cada faixa tenha sua construção única de diversos sentidos: ira, calma, perplexidade. Por aí.

Das bandas nacionais que melhor dialogam com a banda de Franca, citaria o Labirinto e o 4Instrumental.

Streaming: ouça na íntegra o EP A Voz do Brucutu e assista ao vídeo da faixa “Aborto”:

 

Artistas Catexia

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010 – que, além de site, também é canal do YouTube e Embaixador Spotify. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e repórter de entretenimento, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).


Mais artigos para você:


Poste um novo comentário