Captain Black Big Band: uma big band de jazz como você nunca (ou)viu

O pianista Orrin Evans é o músico central de um grupo de mais de 39 integrantes que trafega entre o cuban-jazz, hard-bop, cool jazz e até fusion

Por ter trabalhado com Bill Evans no piano, que ajudou a conduzir a aura de Kind of Blue, e ter sido influenciado por Gil Evans que, além de ter escrito as partituras de discos clássicos como Miles Ahead, Porgy and Bess, Sketches of Spain, entre outros, Miles Davis chegou a afirmar que o sobrenome Evans é abençoado. Se ele tivesse a oportunidade de acompanhar o trabalho de um certo Orrin Evans, não iria se decepcionar.

Também pianista, Orrin já está na ativa desde 1994 e seu mais recente projeto, o Captain Black Big Band, deu o que falar no mundo do jazz no ano passado.

A big band é formada por até 39 integrantes no total. À primeira vista, parece que vamos nos deparar com uma banda de concerto erudito, mas essa impressão se esvai a partir do momento em que eles entoam os primeiros acordes de “Art of War”, um hard-bop poderoso com sessões de sopro inspiradas em John Coltrane. Essa música é constituída de uma libertinagem contida que soa límpida aos ouvidos, com belas pontuações no sax alto de Todd Bashore.

“Here’s the Captain” é uma balada levada ao piano que aos poucos se encontra com ritmos caribenhos. O início é lúgubre e improvável, mas em pouco tempo Orrin dá entrada para as baterias criarem o gingado e os trombones flertarem lindamente.

Essa verve é novamente levantada em “Inheritance”, que mostra o poder do clarinete criando uma sonoridade aguda tempestuosa que, além de dar um tom moderno ao latin-jazz, é quase como uma maré, uma praieira. Dá vontade de ficar de sunga, colocar os óculos escuros, apreciar o sol e fazer leves movimentos com o braço para acompanhar na preguiça.

A maioria das canções do disco homônimo Captain Black Big Band são levadas pelos arranjos de Orrin Evans. Há um choque entre o fusion jazz e referências orientais em “Big Jimmy”, como se ela fosse composta no sol nascente, e uma forte proximidade com a fase orquestral de Miles em “Captain Black”, que foi originalmente escrita em 1998 por Orrin.

Mas o grande destaque fica por conta de “Jena 6”, última canção do disco. Orrin encanta logo de início como se fosse um Dave Brubeck vertiginoso em seu piano, dando o sentido de nervosismo, ânsia, repulsa. Depois, entram as sessões de sopro que soam dramáticas até que, abruptamente, o lamento vai se tornando uma possibilidade de retorno, um crescimento. Os sopros vigorantes de Jaleel Shaw lembram bastante Sonny Rollins em seus melhores momentos, mas o choque que se dá ao fundo por órgãos e uma sessão suja, repulsiva, dão leves tons anárquicos à canção.

Com apenas um álbum lançado, Captain Black Big Band não precisa do aval de um músico experiente de jazz para encantar. Seus ouvidos farão esse papel.

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e atualmente sou repórter de notícias, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Sem Comentário

Adicione um comentário