BADBADNOTGOOD é ótimo como acompanhamento, mas ainda melhor solo

IV mostra um direcionamento jazzístico, mas não abandona a cozinha sonora que vai do ambient ao hip hop

Gravadora: Innovative Leisure
Data de Lançamento: 8 de julho de 2016

Em apenas 5 anos de atividade o BADBADNOTGOOD tornou-se um dos nomes mais celebrados do acid-jazz. Muito disso deve-se à conexão com o hip hop: a parceria com Ghostface Killah, em Sour Soul (2015), além das ousadas composições geométrico-espaciais agrupados em seus três álbuns anteriores.

Resumo: muita atividade alinhada à muita ousadia ajudaram bastante o quarteto formado por Matthew Tavares (teclados), Chester Hansen (baixo), Alex Sowinski (bateria) e Leland Whitty (sax).

IV é um esforço ainda mais intenso do quarteto de reagrupar e fragmentar referências que vão de Arthur Russell a Weather Report.

A eletrificação já é absorvida com tudo logo em “And That, Too”, que inicia tão explosivo como os discos do Melt Yourself Down. “Speaking Gently” segue uma linha nostálgica de teclados, até que entra a bateria de Sowinski dinamizando o alcance sonoro, expandido ainda mais pelo sax-alto de Whitty.

Vale destacar a importância que o BADBADNOTGOOD deu para o intercâmbio dos sopros neste disco: “Confessions Pt II”, a faixa com colaboração do saxofonista Colin Stetson (Bon Iver, Arcade Fire), valoriza o estilo dele e de Whitty, utilizando a respiração e os espaços como parte do processo composicional.

Em “Chompy’s Paradise”, o espaçamento surge quase como um vendaval, num take bem ambient. Já em “IV” baixa o John Coltrane em Whitty: ele captura os percalços deixados pelo ágil baixo de Hansen, dando peso a cada nota extraída. É por conta de faixas como essa que dá mais vontade de apreciar o lado totalmente jazzístico de BADBADNOTGOOD, mesmo que ele seja apenas parte de sua característica.

Mas, façamos justiça às outras aventuranças musicais de IV: o produtor haitiano Kaytranada joga uma linha house, que o grupo obedece sem fugir de suas modulações. Ela forma um escopo instrumental interessante, mas que parece instigar mais nas canções com vocais – como, por exemplo, na participação do jovem rapper Mick Jenkins, do Alabama (EUA): em “Hyssop of Love”, o BADBADNOTGOOD parece adentrar a imaginação de um J Dilla na produção de um Labcabincalifornia (1995), do The Pharcyde.

Charlotte Day Wilson tem um perfil mais voltado pro R&B, mas isso não muda em muita coisa a forma com que o BADBADNOTGOOD oferece seu aparato musical: o baixo ainda é o grande determinante sonoro do grupo; as entradas dispersas valorizam o canto da canadense e, quando o teclado busca protagonismo, já está tão conectado à cantora, que é como se ela fosse parte da essência do grupo.

Deixar absorver-se pelos músicos com quem toca é recorrente em grupos secundários, mas fazer disso uma forte característica do seu trabalho é o que torna o BADBADNOTGOOD tão requisitado. Fica o gostinho de quero mais das explorações solo do quarteto.

Outros lançamentos relevantes:

The Avalanches: Wildflower (Astralwerks)
Paulo Freire: Pórva (Vai Ouvindo)
Ian William Craig: Centres (130701 / Fat Cat)
Miroslav Vitous: Music of Weather Report (ECM)
Sarathy Korwar: Day to Day (Ninja Tune)


Publicidade



Artistas BADBADNOTGOOD

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e atualmente sou repórter de notícias, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Sem Comentário

Adicione um comentário