Vídeo: Por que nem todo som diferentão é música experimental

De Schoenberg a Björk, investigamos a real origem do que realmente é considerado avant-garde

‘Pô, aqueles arranjos são bem experimentais!’. Quantas vezes nos deparamos com críticos despreparados que acham que um acorde diferente se trata de avant-garde? Que um efeito de sintetizador ou uma justaposição fora do ritmo já caracterizam como música experimental?

Por trás das dissonâncias musicais há muita história – e muitos experimentos malucos. Na época do John Cage, por exemplo, música experimental era praticamente um teste científico: em um programa popular de TV nos anos 1950, o compositor chegou a criar uma espécie de armadilha, com piano alterado, para apresentar ao público o tema “Water Walk”. Chamava-se assim porque, bom, “tem água e eu estou andando durante a execução”, como disse, na lata, Cage.

No mais novo vídeo do canal do Na Mira no YouTube, mostramos um pouco dessa apresentação e investigamos o conceito por trás da música experimental.

Falamos de Schoenberg e Anton Webern, que apresentaram novas formas de chegar ao som, passando por Morton Feldman, Cage e Stockhausen e invadindo a música pop com “A Day in the Life”, dos Beatles. O avant-garde atingiu os extremos com Captain Beefheart e Scott Walker e segue firme e forte até os dias de hoje, com Holly Herndon, Mary Halvorson e Richard Dawson. Ah, e não esquecemos a Björk não…

Confira o vídeo:

Já que falamos de tantos nomes importantes, não poderia faltar uma playlist no Spotify (aproveita e segue o Na Mira por lá):

Todas as terças-feiras subimos vídeo no canal do Na Mira no YouTube. Inscreva-se por lá e fique por dentro das novidades.

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010 - que, além de site, também é canal do YouTube e Embaixador Spotify. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e repórter de entretenimento, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Sem Comentário

Adicione um comentário