Retalho liga nu-jazz aos elementos tipicamente brasileiros em álbum de estreia

Duo de Americana (SP) lançou Incerteza pelo selo de downtempo NAS

Gravadora: NAS
Data de Lançamento: 15 de setembro de 2016

O álbum se chama Incerteza, mas, pelo menos em caráter discursivo, não tem nada de política – o que pode até ser considerado um alívio para quem não aguenta mais temas como impeachment ou eleições americanas.

Mas uma audição do novo álbum do duo Retalho, formado por Jessé Oliveira e Eduardo Camargo, denota que todas essas questões que costumamos levantar podem muito bem ser trazidas para o aspecto técnico-musical.

Na música “Direção”, há um questionamento existencial. Embora seja o único momento em que a fala interfira nas mesclas entre nu-jazz, eletrônica, samplers e percussões brasileiras, a faixa é um convite à reflexão diante daquilo que somos capazes de oferecer.

Talvez isso seja acidental, já que o duo foca no teor estético ao descrever o disco. “Através de percussões, samples e loops com texturas variadas, a dupla viaja por diversos estilos sonoros”, diz a descrição no BandCamp. “Existe também uma continuidade entre as faixas com transições que buscam a formação de um álbum concreto e intrigante, cheio de diferentes atmosferas”.

O álbum tem 9 faixas e denota preocupação em manter a estrutura brasileira como parte das influências. Os pandeiros são predominantes entre “Direção” e “Agreste”, enquanto “Jazz” mistura os elementos do ambient a uma percussão que parece extraída de um breve ensaio de escola de samba.

Incerteza foi lançado pelo selo NAS, que tem focado bastante na propagação de artistas que trabalham com downtempo e minimal, como vinolimbo e Castelan.

Ouça na íntegra no player abaixo:


Publicidade



Artistas Retalho

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e atualmente sou repórter de notícias, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Sem Comentário

Adicione um comentário