MOVNI lança primeiro disco: ‘Laboratório’. Ouça e baixe

Trio de rap viajante de Brasília busca inovar “configurando novas perspectivas para o mundo da música e da mente”

O termo rap espacial tem alguns expoentes na cena internacional, principalmente no undeground. Digable Planets, DOOM e o mais recente Shabazz Palaces deram alguns passos nesse sentido, embora George Clinton e Sun Ra permaneçam mestres – não pelo gênero, pois são respectivamente do funk e do jazz; mas, sim, por suas descobertas sônicas espaciais que ainda servem de referência no tal ‘hip hop espacial’.

No Brasil praticamente não havia nenhum grupo que justificasse o termo em português rap espacial. Não até 2012, ano em que o MOVNI surgiu em cena, em Brasília, com a ‘mistura’ de “elementos e sons diversificados para apresentar novas experiências aos seus ouvintes”, nas palavras dos próprios.

O MOVNI é um trio, formado por Doctor Zumba, Nauí e Afroragga. Eis o significado da sigla: Música Orbital Viajante Não Identificada.

O rap espacial, no som do grupo, é encontrado principalmente nas letras. Em “Abdução”, faixa que dá nome ao primeiro EP, de dezembro de 2012, o convite é direto: ‘Bem-vindo à nave espacial/Atmosfera Sideral/Um lugar diferente do seu espaço natal/Pra você tudo é estranho aqui nesse local’.

“Abdução” integra também o recém-lançado disco de estreia do MOVNI. Laboratório possui 10 faixas que, apenas pelo nome, mostra um passeio pela ficção científica, sem perder a tão marcante característica de protesto social, quase onipresente no rap brasileiro.

A proposta é pretensiosa, como atesta a banda em seu blog oficial:

Esse primeiro disco traz o conceito de um espaço criado pelo mundo MOVNI para realizar experimentos sonoros com a finalidade de inovar, configurando novas perspectivas para o mundo da música e da mente. Experimentos que resultem no aumento da percepção humana de forma sonora e lírica.

Alguns paradigmas estéticos são quebrados. Uma delas é a participação de Diogo Loko em “Ciborgue”, que une sonoridades sci-fi com urros que remontam ao metal. Não só apenas uma das melhores faixas de Laboratório; é, também, salutar em mostrar que há novas formas de protestar musicalmente no eixo do rap – mesmo que alguns ETs e ideias tortas estejam envolvidos.

Ouça Laboratório, o disco de estreia do MOVNI, no player a seguir (tracklist no final do post). Para fazer o download, visite o site oficial.

Tracklist:

01 Cientistas
02 Células Mortas
03 Metanfetarima
04 Abdução
05 Ciborgue (part. Diogo Loko)
06 Cobaia
07 Energia M
08 O Monstro Que Há Em Mim (part. Tribo da Periferia)
09 Invasão (part. Tribo da Periferia)
10 Alquimia MOVNI

Artistas MOVNI

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010 - que, além de site, também é canal do YouTube e Embaixador Spotify. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e repórter de entretenimento, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).


Mais artigos para você:


Poste um novo comentário