Disco da Semana: Bernes do Limbo prova que música torta é eficiente

Vermes do Limbo junta-se a Bernardo Pacheco em projeto breve e ruidoso

Gravadora: Sinewave
Data de Lançamento: 28 de abril de 2017

Bernes do Limbo é o nome resultante da junção da dupla londrina radicada em São Paulo que forma o Vermes do LimboGuilherme Pacola (bateria) e Vinicius Patrial (baixo) – com o guitarrista Bernardo Pacheco, das bandas Elma, Are You God?, entre outras.

As distorções de Pacheco habitam ali entre as experimentações da cena downtown de Nova York, de caras como Bill Frisell, com o som grave que confunde a função do baixo, especialidade-mor de Fred Frith.

“Eles vieram aqui no estúdio gravar 5 músicas novas com espaço pra eu adicionar partes de guitarra”, disse Pacheco. “Gravamos essas 5 só com baixo e bateria e no fim da sessão desse dia liguei a guitarra e gravamos mais 20 minutos de improvisações curtas, quase sem parar”.

“Numa outra tarde coloquei guitarra nas músicas compostas. No fim, ficamos com as 5 músicas compostas e 7 improvisações. Misturamos tudo e virou o disco”.

16 minutos de disco

De qualquer forma, não é dele o protagonismo do álbum BERNE_FATAL: os temas são curtíssimos, trazendo uma noção de punk-avant-garde em que cada instrumento extrapola suas funções rítmicas e solistas.

“Negócio” lembra aqueles sussurros imaginários que temos cada vez que nos deparamos com uma situação confusa. Esse tipo de vocalização ‘falsa’, que parece do além, faz de “FatalFatal” algo mais profundo que a visualização de ‘monstros da escuridão’. Os efeitos lembram a simulação de um midi, com paradas bruscas nos riffs típicos de um stoner-rock.

Se o manifesto contra a violência da nossa sociedade é transposto de forma estranha em “Esses Caras” ou se os efeitos parecem se dissipar das caixas de som em “Encosto”, não estranhe: a ideia é fugir dos trejeitos roqueiros, de instigar a alma humana a partir de técnicas não convencionais, mas bem efetivas, principalmente pela brevidade.

Afinal, não é preciso muito para dar uma boa balançada no cérebro.

“No total são pouco menos de 16 minutos do que se pode chamar de pós-jazz-punk caótico, cáustico e fervilhante”, diz o texto de divulgação da Sinewave, assinado por Fernando Augusto Lopes, do Floga-se.


Tracklist:

01 Berne 2
02 Esses Caras
03 Berne 4
04 Fatal-Fatal
05 Berne 7
06 Encosto
07 Berne 5
08 Berne 3
09 Negócio
10 Berne 6
11 Sai Do Ar
12 Berne 1

Outros lançamentos relevantes:

Criolo: Espiral de Ilusão (Oloko Records)
Gorillaz: Humanz (Parlophone/Warner)
Rodrigo Campos, Juçara Marçal & Gui Amabis: Sambas do Absurdo (YB Music)
Feist: Pleasure (Interscope/Polydor)
Thurston Moore: Rock N Roll Consciousness (Caroline)
Chris Potter: The Dreamer is the Dream (ECM/Verve)
Colin Stetson: All This I Do for Glory (52hz)

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010 – que, além de site, também é canal do YouTube e Embaixador Spotify. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e repórter de entretenimento, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).


Mais artigos para você:


Sem Comentário

Adicione um comentário