RZO de volta e à frente do tempo

Pirituba ficou pequena para as pretensões globalizadas que marcam o retorno de um dos grupos de rap mais importantes do país

Gravadora: Independente
Data de Lançamento: 2 de junho de 2017

Disco da Semana: RZO, Quem Tá no Jogo

Quem Tá no Jogo marca o retorno de um dos grupos de rap mais importantes do país

Com Quem Tá no Jogo, o RZO chega ao seu 3º disco. Dizendo assim, nem parece que estamos falando de um dos grupos de rap mais importantes dos anos 1990. Isso é porque sua influência foi maior por trás dos bastidores: antes da estreia, com Todos São Manos (1999), o grupo liderado por Sandrão e Helião abriu as portas para diversos nomes da cena nacional, como Negra Li, Dina Di e Sabotage, só para citar alguns poucos.

Numa entrevista ao Noisey, em 2015, o editor da revista RAP Brasil (que circulou entre 1999-2009), Alexandre De Maio, foi bem objetivo: “RZO, depois d’Os Racionais, era o grupo de rap mais importante do Brasil”.

Por isso mesmo, quando o grupo anunciou rompimento, em 2004, o mundo do rap ficou estremecido. O grupo tinha acabado de lançar Evolução é Uma Coisa (2002), prova de que estava atento ao que o futuro poderia contribuir nas periferias.

O grupo voltou em 2014 e a cena musical do rap passou por incontáveis transformações, mas algumas coisas não mudaram. Pelo menos, não para o RZO.

Extremidade sonora

Quando “Paz em Meio ao Caos” foi lançada como single, com participação do grupo de rap Bone Thugs N Harmony e backings de Negra Li, uma coisa ficou bem clara: o RZO estava em busca de uma mensagem globalizada.

A integração com o rap gringo mostrou que Pirituba já não era mais o epicentro de suas rimas.

O aceno com o discurso globalizado já tinha dado seus primeiros passos em Evolução é Uma Coisa (vide “Luta Cansativa”, onde Negra Li brilha), mas em Quem Tá no Jogo um detalhe deve ser enfatizado: as batidas são mais pluralistas, porque perderam o ar de melancolia para dar espaço a uma sonoridade mais aberta, com influência do som da gravadora Muscle Shoals (“Rap é Isso”, com participação de Rael) e do bom e velho N.W.A. (como em “Tráfico”, com participações de Nino Cobra e Lino Krizz).

A produção de DJ Cia fez com que a música do RZO estivesse antenada ao seu tempo – e, ao mesmo tempo, formasse uma distinção dos grandes nomes atuais. Sonicamente, o mais próximo que temos hoje de Quem Tá no Jogo seria um misto de Cores e Valores (2014), o disco póstumo de Sabotage e a ousadia de Ogi.

Entre guitarras alternadas com teclados ágeis, em “Orelhada”, à influência do rap de Atlanta em “Algo Me Tira do Foco”, DJ Cia ampliou os possíveis cenários das rimas de Helião e Sandrão – chegando a praticamente levá-los a outros extremos, como em “Revolta dos Humildes”, que faz uso de um som global ao falar sobre a violência generalizada em diversos bairros de São Paulo.

Jovens à frente do tempo

O RZO possui invejável habilidade como grupo mensageiro. Os integrantes sabem como dosar o peso ao falar da exclusão social (“Revolta dos Humildes”) e cobrar a participação da sociedade, como acontece em “Uma Multidão Rumo à Solidão”, com participação de Sombra.

Talvez por já ter sido lançada como single, “Jovens à Frente do Tempo” permanece como a grande marca da volta do RZO. O corre-corre do cotidiano e a dificuldade de morar na favela e se agarrar às oportunidades continuam sendo os grandes empecilhos de jovens que não tiveram as oportunidades daqueles que tiveram faculdade paga pelos pais.

Mesmo assim, o RZO se mantém otimista ao depositar o futuro na garotada que vive em meio a um contexto excludente. ‘Favela é um monstro dormindo’, canta Helião, numa acepção positiva do termo. Nesse sentido, a história do RZO não deixa de ser uma evidência.

Leia também: As 30 melhores músicas do rap nacional dos anos 1990

Outros lançamentos relevantes:

Roger Waters: Is This the Life We Really Want? (Columbia/Sony Music)
Benjamin Booker: Witness (ATO)
Omar Souleyman: To Syria with Love (Mad Decent)

Artistas R.Z.O.

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e atualmente sou repórter de notícias, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Poste um novo comentário