Tudo é festa para Hermeto Pascoal

Diversos artistas são relembrados pelo alagoano (de Sivuca a Thad Jones), mas o que prepondera é seu diálogo e versatilidade musical

Gravadora: Scubidu Records/Selo Sesc
Data de Lançamento: 28 de julho de 2017

Disco da Semana: Hermeto Pascoal & Banda, No Mundo dos Sons

Dizem que nós, brasileiros, somos bons de farra, mas nenhum de nossos compatriotas faz isso tão bem quanto o alagoano Hermeto Pascoal.

Mais de 12 anos sem lançar um disco com a sua banda, No Mundo dos Sons celebra tudo quanto é tipo de músico, de distintas escolas musicais.

Algumas mudanças foram inevitáveis: Ajurinã entrou no lugar do baterista Márcio Bahia e Jota P substitui Vinícius Dorin no saxofone, que morreu no começo de 2016, além da inclusão de Fabio, filho de Hermeto, na percussão.

Completa o grupo o experiente baixista Itiberê Zwarg (parceiro do grupo de Hermeto desde 1977) e o pianista André Marques.

Homenagens aos mestres

Em “Vinicius Dorin em Búzios” ele homenageia o parceiro com um bossa-jazz cristalino em que prepondera a melodia do sax-soprano de Jota P.

Os jazzistas Thad Jones e Miles Davis, com quem Hermeto tocou em sua carreira, também são relembrados: o primeiro pelo arrojo de big-bands histriônicas dos anos 1970, uma era em que o jazz se compactava com os combos do fusion. Como Hermeto entende e muito bem de fusion, fez questão de homenagear seu criador em “Para Miles Davis”. Nela, percebe-se um tipo de conexão espiritual que os dois tiveram lá em 1971, com o disco Live-Evil.

O tango argentino é apimentado com cuban-jazz em “Viva Piazzolla!” e, para quem sentia falta da música regional brasileira na obra de Hermeto, tem muito com o que dançar em “Forró da Gota para Sivuca”, dedicado a um dos poucos mestres nesse mundão que podem se comparar à versatilidade de Hermeto.

Brasil fervor novo

Entre notas que fervem do piano, de um contrabaixo acelerado e riffs e solos de acordeom e saxofones, Hermeto encontra um jeito de ressaltar a intensidade dos elementos da música brasileira.

O melhor é que ele chega a ótimos resultados da forma mais imprevisível que se possa imaginar.

Em “Para Tom Jobim”, por exemplo, nada de amenidades: ele traz o naturalismo sonoro da era Matita Perê (1973), com sons de bicho ao fundo, e vai colocando entrecortes ágeis que simulam o passeio pela riqueza da cultura brasileira. Tem bossa sim, mas só depois de muito samba, baião, jongo, hard-bop…

“Viva Edu Lobo!” é outra em que Hermeto foge de qualquer tipo de associação estética ao compositor homenageado. Primeiro o tema começa com ênfase nos graves e se entrega completamente a um ritmo que pende entre o frevo e o típico som festivo do tropicalismo (do qual Edu era uma espécie de contraventor no auge da era dos festivais, até expandir mais seus horizontes musicais com o passar dos anos). Por fim, prepondera o som de cordas intrincadas de teclados e clavinet, criando uma coesão que serve como paralelo da obra de Edu como um todo.

Ser festivo é ser heterogêneo

Como tantas riquezas, expressões e artistas se dialogam com tanta proeminência? É exatamente aí que reside a genialidade de Hermeto Pascoal.

Improvisador talentoso, o alagoano centrou um disco inteiro em um diálogo de modo festivo. Dentro da variação de ritmos dançantes, há espaço para apitos, sons de porco, urros e quebras de tempo musicais (para tanto, vide “Um Abraço, Chick Corea” ou “Carlos Malta Tupizando”, onde sons indígenas vão de encontro a um poço cheio de groove).

Na linguagem de Hermeto, festividade vai muito além de alegria. Tem a ver com celebração da mistura, heterogeneidade, riqueza e variação em que as diferenças se misturam.

A única homogeneidade de tudo isso é a expressão do próprio Hermeto que, aos 81 anos, permanece como símbolo-mor de multiculturalismo na nossa música.

Leia também: 40 anos de um dos maiores clássicos de Hermeto: Slaves Mass

Outros lançamentos relevantes:

Otto: Ottomatopeia (Press Pass)
Arcade Fire: Everything Now (Merge)
Manchester Orchestra: A Black Mile to the Surface (Loma Vista)
Jillette Johnson: All I Ever See in You Is Me (New Rounder)

Artistas Hermeto Pascoal

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e atualmente sou repórter de notícias, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

  1. Abner Alencar Rufino 2 agosto, 2017 at 10:48 Responder

    Que ótima indicação. Ouvi esse álbum e explodiu minha cabeça. Espero um dia conseguir fazer resenhas de álbuns e jazz como você faz. Keep goin, man!

Poste um novo comentário