Disco da Semana: Família Madá recobra o impacto da mixtape com exotismo e expressividade

Muitas Vezes Mais… tem participações de Black Alien, Ogi, Sombra e mais

Gravadora: Independente
Data de Lançamento: 7 de abril de 2017

Assim como o rap gringo, o rap nacional mudou. Assimilou a estrutura de músicos que se tornaram destaque na cena atual, como Future e Gucci Mane. E, de certa forma, está parando aos poucos de samplear Mano Brown, embora isso não descredite a qualidade de ninguém.

Até mesmo o formato mixtape, com diversas participações, passou por uma renovação, anos depois de Emicida ter abandonado o formato.

O formato mixtape e álbum não é algo que faz tanta diferença assim para o ouvinte. Para o rapper, sim. Ele é ancorado em diversas participações e tem um ritmo mais despojado de estrutura. É como se elas obedecessem mais a um formato radiofônico do que a uma preconcepção artística específica. O grupo de rap paulistano Família Madá sabe muito bem disso, pois todo esse contexto ajuda a compreender o significado de Muitas Vezes Mais… Volume 1: Relicário.

Mixtape alarmante

Nomes fortemente considerados na cena, como Black Alien (“Seja Você”) e Ogi (“Esquinas”), fortalecem a mensagem do grupo, que na verdade não tem uma unicidade própria. Nem se deve cobrar isso, porque ali entre Haikaiss e Síntese você pode muito bem encaixar a proposta de sons como o dub-trap de “Sol” (com participação de Cacife Clandestino) ou o som alarmante de “Skate”.

Formado no bairro boêmio Vila Madalena pelo trio Neg, Chayco e Covêro, o Família Madá traz aquela miscelânea estética com samba, MPB, R&B e afins, mas não é bem isso que se destaca em Muitas Vezes Mais.

Em “Bênção” (com o rapper Jamés Ventura), o grupo lembra takes mais sérios do ConeCrewDiretoria.

“4:45” parece aquele som meio minimalista do Future, com os vocais que pingam como se fossem parte do background melancólico.

Quanto a “Cristal”, lembra a produção exótica de Karol Conka, com reverbs a pleno vapor.

As conexões com samba e música brasileira – algo que se esperaria de um grupo da Vila Madalena – também figuram no disco, mas em menor escala e destaque.

“Eu Aqui Cheguei” mostra que a banda já maturou essa junção há muito tempo. “A Gente Se Fala”, faixa-bônus com participação de Sombra, mostra o embate de um casal pelo crossover entre samba e jazz. Comparando ao que é apresentado em Muitas Vezes Mais, as duas canções destoam da coesão musical. Por outro lado, fortalecem a expressividade do grupo.

Outros lançamentos relevantes:

Jamiroquai: Automaton (Virgin)
Future Islands: The Far Field (4AD)
Kodak Black: Painting Pictures (Atlantic)
Gonjasufi: Mandela Effect (Warp)
Sun Ra and The Arkestra: Thunder of the Gods (Modern Harmonic)

Artistas Família Madá

Share this post

Tiago Ferreira

Editor do Na Mira desde 2010. Já trabalhei como redator de comunicação interna, produtor de conteúdo da B2W (Americanas, Submarino e afins) e atualmente sou repórter de notícias, ciência e tecnologia no Vix.com. Também sou colaborador eventual da Revista da Cultura (da Livraria Cultura).

Sem Comentário

Adicione um comentário